segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

1 144 - Chegadas & partidas na Companhia de Zalala


O Dias (foto) esteve hoje em pé de orelha comigo, sobre a nossa guerra colonial que passou pelo chão do Uíje, do Quitexe a Zalala, a Aldeia Viçosa, Santa Isabel, Vista Alegre, Luísa Maria, Songo, Carmona e Luanda, e outros sítios onde, pelotão a pelotão, se escreveu parte da história dos últimos dias da presença portuguesa em Angola.
Não repetindo, neste lugar de afectos em que se transformou o blogue, as mil e uma pequenas peripécias que nos levam à verdura dos nossos 22 para 23 anos, levantou o Dias a questão de quem substituiu quem, na epopeica Zalala.
Recompletamentos, houve vários, na companhia do capitão miliciano Castro Dias.
Aos meados de Junho de 1974, chegou o Velez - que fechou o trio de furriéis do pelotão do alferes Rosa.
Em Outubro desse ano, chegou o Soares.
Em Dezembro, o Rito.
Três furriéis e atiradores.
Janeiro de 1975, foi tempo de chegada de Fernando Sousa, soldado atirador de cavalaria.
Quanto a saídas, o furriel Belém Pereira terá saído em Julho (ou Agosto) de 1974. o Livro da Unidade não é claro. Nem refere, sequer a sua chegada - sendo certo que não integrava a lista dos que partiram de Lisboa.
O furriel Mota Viana saiu em Outubro para Novembro de 1974 - logo, foi o Soares a substituí-lo. 
Estas notas não incluem chegadas ou partidas dos incorporados locais - os chamados grupos de mesclagem.
- VELEZ. Vitor Manuel da Conceição Gregório Velez, furriel miliciano atirador de cavalaria, residente em Lisboa.
- SOARES. José Carlos Évora Soares, furriel miliciano atirador de Cavalaria. Supostamente residente em Marselha (França).
- VIANA. Fernando Manuel Mota Viana, furriel miliciano atirador de Cavalaria, residente em Braga.
- RITO. João C. M. Rito, furriel miliciano atirador de cavalaria.
- DIAS. João Custódio Dias, furriel miliciano de transmissões. Aposentado da Polícia Judiciária, residente em  Tomar.

7 comentários:

J. Dias (Zalala) disse...

Caro Viegas:
os dois furriéis Soares e Rito eram de infantaria. Este apareceu na 1ª Companhia, porque se portou mal em Cazage, Leste de Angola, na 1ª CCaç/BCaç 4217, contemporâneo em Santa Margarida (num outro RI) do nosso Batalhão. A esta companhia pertencia o Fur Ranger Grilo, de que já falaste no Blog.
Quanto ao Baldy Belém Pereira, posso garantir que ele foi "fundador" do batalhão em Santa Margarida, pertencia ao pelotão do Alferes Ranger Sousa.

J. Dias (Zalala) disse...

Caro Viegas:
os dois furriéis Soares e Rito eram de infantaria. Este apareceu na 1ª Companhia, porque se portou mal em Cazage, Leste de Angola, na 1ª CCaç/BCaç 4217, contemporâneo em Santa Margarida (num outro RI) do nosso Batalhão. A esta companhia pertencia o Fur Ranger Grilo, de que já falaste no Blog.
Quanto ao Baldy Belém Pereira, posso garantir que ele foi "fundador" do batalhão em Santa Margarida, pertencia ao pelotão do Alferes Ranger Sousa.

Viegas (ex-furriel miliciano) disse...

Caro JD:

O Belém não faz parte da lista de embarcados para Luanda.
O Grilo foi meu companheiro em Lamego, nos Rangers.
Trabalha(va) na escola da Nazaré.
E o que é feito do Sousa?
Abraço.
CV

Viegas (ex-furriel miliciano) disse...

Caro JD:

O Belém não faz parte da lista de embarcados para Luanda.
O Grilo foi meu companheiro em Lamego, nos Rangers.
Trabalha(va) na escola da Nazaré.
E o que é feito do Sousa?
Abraço.
CV

J. Dias disse...

Caro Viegas:
O Sousa há uns anos trabalhava na zona do Porto no ramo do turismo (agência de viagens) e vivia em Ermesinde.
Um abraço

Bric Brac disse...

Caros J. Dias e Viegas:
Penso que existe algum equívoco quando dizem que a 1ª CCaç 4217 esteve no leste de Angola, pois eu pertenci ao BCaç 4217, e as companhias pertencentes a este batalhão estiveram em Moçambique e sitiadas da seguinte forma:
CCs - Inhaminga, Dondo e Beira.
1ª CCaç - Sena, Dondo e Beira.
2ª CCaç -Vila Fontes, Dondo e Beira
3ª CCaç - Inhaminga, Dondo e Beira.

Espero desta forma ter contribuído para esclarecer um certo desfazamento quanto ao número do Batalhão, pois sei que o 4216 esteve em Angola.
Um Abraço
Manuel Oliveira
Operador-cripto da CCs 4217 em Moçambique

armindo vasconcelos disse...

Confirmo a informação do Oliveira, apenas acrescentando que a 2.ª Companhia também teve um destacamento em Marromeu, de segurança à fábrica de açúcar da Sena Sugar. Passei aí dos melhores momentos da minha vida... e coração.
Abraço
Armindo de Vasconcelos